Access

You are not currently logged in.

Access your personal account or get JSTOR access through your library or other institution:

login

Log in to your personal account or through your institution.

If You Use a Screen Reader

This content is available through Read Online (Free) program, which relies on page scans. Since scans are not currently available to screen readers, please contact JSTOR User Support for access. We'll provide a PDF copy for your screen reader.

Where Is the Coffee? Coffee and Brazilian Identity

Steven Topik
Luso-Brazilian Review
Vol. 36, No. 2 (Winter, 1999), pp. 87-92
Stable URL: http://www.jstor.org/stable/3513657
Page Count: 6
  • Read Online (Free)
  • Download ($17.00)
  • Subscribe ($19.50)
  • Cite this Item
Since scans are not currently available to screen readers, please contact JSTOR User Support for access. We'll provide a PDF copy for your screen reader.
Where Is the Coffee? Coffee and Brazilian Identity
Preview not available

Abstract

O Brasil é conhecido como o país do café por ser o maior produtor do mundo. Mas o café não tem desempenhado um papel importante na identidade nacional brasileira. Este ensaio indica algumas razões desta lacuna. O café não fez parte da herença colonial por chegar tarde ao Brasil. Depois da independência, o café foi associado à escravidão, ao sub desenvolvimento, e à política oligárquica, e não à construção do Estado e da sociedade. A historiografia paulista começou a atribuir ao café um papel na formação de uma identidade progressista só a partir dos anos 60. Mas mesmo neste caso a contribuição do café não foi tanto na construção de uma sociedade cafeeira no campo quanto na urbanizacão através da industrialização. Assim, o café pode ser anulado como fator chave da identidade nacional.

Page Thumbnails

  • Thumbnail: Page 
[87]
    [87]
  • Thumbnail: Page 
88
    88
  • Thumbnail: Page 
89
    89
  • Thumbnail: Page 
90
    90
  • Thumbnail: Page 
91
    91
  • Thumbnail: Page 
92
    92